top of page

Técnicas mais lentas de execução é a causa da demora da demolição de rocha


José Márcio Gonçalves Lima, Secretário Municipal de Obras, esteve participando da sessão ordinária da Câmara Municipal de Leopoldina, ocorrida nesta segunda-feira (09/12), com o objetivo de explanar sobre a execução da demolição de uma rocha, localizada na Rua Omar Resende Peres.


Inicialmente, José Márcio comentou que a rachadura naquela pedra era muito antiga e que a Prefeitura foi obrigada a tomar providências em virtude de uma denúncia encaminhada ao Ministério Público que gerou a instauração de um inquérito. Segundo o secretário, o Ministério Público estipulou um prazo para que o município apresentasse um laudo técnico assegurando que a rocha não representava risco à integridade física do cidadão ou que providenciasse o desmonte e a fragmentação da pedra.


O Secretário explicou que, sem conseguir um laudo técnico sobre a segurança da pedra, o município realizou três licitações que foram desertas e somente no quarto certame foi contratada a empresa Presanger Locação de Equipamentos Ltda que apresentou um cronograma de 60 dias para conclusão da obra.


José Marcio comentou que a empresa solicitou dois termos aditivos de prazo, relacionando o atraso na execução das obras à existência de problemas mecânicos com equipamentos destinados à perfuração do maciço rochoso. Ele informou que, no segundo termo aditivo, a empresa alegou que, em virtude da necessidade de procedimentos de segurança da população, optou por técnicas mais lentas de execução dos serviços durante a remoção do maciço, com parcelas menores de rocha e, dessa forma, tem-se levado mais tempo do que o esperado.


O engenheiro afirmou que os serviços estavam paralisados, mas que foram reiniciados na data de hoje. Segundo ele, a fragmentação de três rochas está praticamente concluída, faltando apenas a remoção dos fragmentos. O secretário explicou que, em virtude do tempo chuvoso, o veículo utilizado pela empresa não consegue atingir o local onde estão os fragmentos da rocha, sendo necessário aguardar que o tempo melhore.


José Márcio reconheceu os transtornos causados à população em virtude da interdição da rua, mas explicou que tal medida é para garantir a segurança dos transeuntes. Ele se colocou à disposição para acompanhar os vereadores numa visita ao local.


Os parlamentares destacaram a preocupação da população com os riscos a que está sujeita ao utilizar a BR 116, além de acidentes e assaltos que já ocorreram na rua Omar Resende Peres que está interditada. Eles sugeriram que a Prefeitura ou a Secretaria de Obras faça uma nota oficial direcionada aos moradores do bairro a fim de tranquilizá-los sobre a execução da obra, pois muitos estão preocupados com a possibilidade de os serviços serem concluídos somente no início do próximo ano, em virtude do período de Natal e passagem de ano.


José Márcio explicou que a rua precisa permanecer interditada para eliminar qualquer risco para a população. Ele acredita que os serviços serão acelerados, mas afirmou que não há como fazer uma previsão de término. O secretário esclareceu que o terreno onde está a rocha é de propriedade particular e acrescentou que, até o momento, não foi ventilada qualquer possibilidade de fazer aditivo de preço.


Ao final, o Secretário de Obras agradeceu a oportunidade de participar de uma reunião do Legislativo, reconhecendo que a função do vereador é zelar pelo bem comum da população. Ele afirmou que não é interesse do município dificultar a vida de ninguém e aproveitou para solicitar a compreensão de todos, reafirmando o compromisso de um maior empenho no sentido de resolver essa situação no menor prazo possível.


Fonte: site Câmara de Vereadores de Leopoldina



Comments


bottom of page