top of page

Expansão do Saúde em Rede é realizada nos municípios da Regional de Saúde de Leopoldina


Durante os dias 24 e 27 de maio, a equipe da Gerência Regional de Saúde (GRS) de Leopoldina promoveu evento para expansão do projeto Saúde em Rede para todos os 15 municípios sob sua área de abrangência. O programa tem objetivo de reorganizar a Rede de Atenção à Saúde (RAS) no estado de Minas Gerais, por meio da realização de mudanças nos processos de trabalho da Atenção Primária à Saúde (APS) e dos serviços de Atenção Ambulatorial Especializada (AAE). Nessa fase do projeto foram capacitados tutores e analistas regionais que irão atuar nos 15 municípios sob jurisdição da GRS.


O evento foi realizado no município de Argirita, com o apoio dos gestores locais, respeitando todos os protocolos de distanciamento e segurança. Além da equipe da GRS e profissionais dos municípios da região, o encontro também contou com a contribuição de analistas da Escola de Saúde Pública (ESP) de Minas Gerais. A proposta é a criação de espaços de ensino e aprendizagem que buscam ampliar a capacidade das equipes da Atenção Primária e da Atenção Ambulatorial Especializada. Com isso, os processos de trabalho serão avaliados em busca do atendimento às necessidades dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).


A analista da ESP, Adriana Franco, relata a satisfação na promoção e expansão do projeto. “Nós, trabalhadoras da Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais, ficamos muito felizes em participar das formações das Analistas Regionais e dos Tutores da região de Leopoldina. Acreditamos que o Projeto Saúde em Rede tem um grande potencial para fortalecer os processos de trabalho da Atenção Primária e da Atenção Especializada, tendo como premissa a Educação Permanente em Saúde”, avaliou.


A coordenadora da Assessoria de Governança Regional da GRS de Leopoldina, Aline Costa Rezende, destaca a importância dessa etapa do projeto. “Esta iniciativa é importante para organizar a saúde ofertada aos usuários do SUS, a fim de imprimir maior qualidade e fortalecer o vínculo entre as equipes”.


Já a também analista da Escola de Saúde Pública de Minas Gerais, Juliana Mesquita, explica quais são os próximos passos para a implantação do projeto. “Os processos de trabalho serão revistos e problematizados pelas equipes das Unidades de Atenção Primária à Saúde e do CEAE e, como consequência, espera-se uma maior integração dos serviços e resolutividade ao atendimento ofertado à população" , finalizou.


Por Gustavo Santos Ribeiro


bottom of page