top of page

Casos confirmados de dengue, chikungunya e zika vírus em Minas Gerais aumentam 754% em um ano

É essencial o trabalho coletivo de mobilização entre o Estado, municípios e população para as ações e estratégias de prevenção e diminuição dos casos

O verão e, sobretudo, as chuvas de início de ano trazem velhos problemas aos municípios e à população: o aumento no número de casos de doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti. Conforme dados divulgados pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), o aumento de diagnósticos positivos de dengue, chikungunya e zika vírusé de 754% na primeira quinzena de 2024 em relação ao mesmo período do ano passado. Até 15/01, Minas Gerais registrou 5.206casos de dengue e chikungunya no Estado. Somente no período de uma semana foram computados 4.672 testes confirmados de dengue e chikungunya em Minas Gerais.


A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), em parceria com a Associação Mineira de Municípios (AMM) e o Conselho das Secretarias Municipais de Saúde de Minas Gerais (Cosems-MG), fez, na quinta-feira (18/01), apresentação on-line sobre o cenário, os impactos e perspectivas das arboviroses (dengue, zika, chikungunya e febre amarela) em Minas Gerais para 2024. O encontro foi direcionado aos prefeitos, secretários municipais de saúde e referências de outras Secretarias Municipais de todo o Estado. O vídeo do evento está disponível no canal da SES-MG no YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=M-Qa4_-yvAc.


O subsecretário de Vigilância em Saúde da SES-MG, Eduardo Prosdocimi, apontou que o momento atual requer muita atenção às arboviroses e o apoio e participação dos municípios é fundamental para o enfrentamento do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya, zika e febre amarela. “Estamos no período sazonal das doenças, que ocorre entre os meses de outubro e maio, e é esta a época em que mais precisamos dos gestores para redobrar os cuidados, a mobilização e o enfrentamento das arboviroses nos territórios”, disse.


Segundo Prosdocimi, é essencial o trabalho coletivo de mobilização entre o Estado, os municípios e a população para que as ações e estratégias disponíveis impactem na prevenção e diminuição dos casos esperados. “É fundamental que os gestores municipais busquem o apoio da mídia local e façam parcerias com escolas e comércio para que as informações cheguem aos cidadãos”, destacou o subsecretário.


» Clique aqui e confira o Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika Vírus da SES-MG (atualizado em 15/01/2024).

bottom of page